Flavio Cruz

O reloginho está marcando três horas

Ouvi uns toques na porta e imediatamente sabia que era a moça do seguro de saúde. Bonita, simpática, sorridente e... vendendo saúde! Mas isso não podia falar, pois é falta de respeito. A propaganda dizia que nosso plano era maravilhoso pois se preocupava conosco e queria, de vez em quando, saber como nós estávamos. Sabe, a idade vem chegando... No fundo eu sabia que eles estavam ppreocupados mesmo é com a despesa que a gente podia dar: remédios para diabete, para pressão alta, aquela coisa toda. No entanto, é bom acreditar que alguém se preocupa com a gente. Sentou-se à mesa e ao mesmo tempo foi sacando o aparelho de pressão da sua malinha.  Deu aquelas bombadinhas e disse que estava ótima! Também com tanto remédio que a gente toma... só faltava! Daí, falou para mim:

-Laranja, maçã e árvore.. .Por uma fração de segundo, pensei que ela tinha dado uma olhada no Facebook do Brasil e viu aquelas histórias todas. Mas não! Ela só queria que eu decorasse as três palavras. Pensei comigo: fácil!

Daí deu uma picadinha na minha mão e pegou um pouquinho de sangue. Estendeu a seguir uma folha onde havia um espaço em branco. Pediu que eu desenhasse um relógio marcando três horas em ponto. Pensei em perguntar se eram três da tarde ou madrugada, maas achei melhor ficar quieto e comecei a desenhar. Primeiro um círculo, depois 12 lá em cima, 6 embaixo, 3 para o oeste e 9 para o leste. O resto foi fácil. Ponteiro grande no 12 e o pequeno no 3. Quem não sabe fazer isso? Coisa de criança. A partir daí, uma bateria de perguntas. Se eu como bem – claro que sim e muito, alem da conta – se durmo bem, se fumo, se bebo água, se tenho isso, se tenho aquilo. De repente, sem mais nem menos, me perguntou as três palavrinhas. Hesitei por um minúsculo segundo, mas depois respondi confiante: laranja, maçã, árvore. Quase fiz uma piada com o cabelo do presidente, mas não ficava bem e, além disso, ela podia ser um fã e eu estaria lascado. Pegou meu desenho, olhou meu reloginho e disse que estava bom. Também achei que sim. Quase falei que era capaz até de desenhar aqueles que ficam derretendo – do Salvador Dali – mas ela poderia não entender a minha graça. Estava provado que eu não tinha aquelas doenças todas de louco e, por causa das três palavrinhas, eu não tinha Alzheimer. Bom demais para uma tarde de inverno.

A moça foi embora e deixou o desenho do reloginho. Que orgulho! Parecia até um diploma. Pois é... o tempo vai passando e a gente vai diminuindo as expectativas!

 

All rights belong to its author. It was published on e-Stories.org by demand of Flavio Cruz.
Published on e-Stories.org on 25.02.2019.

 

Comments of our readers (0)


Your opinion:

Our authors and e-Stories.org would like to hear your opinion! But you should comment the Poem/Story and not insult our authors personally!

Please choose

Previous title Previous title

Does this Poem/Story violate the law or the e-Stories.org submission rules?
Please let us know!

Author: Changes could be made in our members-area!

More from category"Algemeen" (Short Stories)

Other works from Flavio Cruz

Did you like it?
Please have a look at:

Naquela manhã de maio - Flavio Cruz (Leven)
Pushing It - William Vaudrain (Algemeen)
Heaven and Hell - Rainer Tiemann (Humor)